Escolas, entidades e demais instituições educativas, públicas ou privadas, possuem especificidades de uso e de funções de suas áreas livres que podem e, muitas vezes deveriam, estar representadas também em seus jardins. No sentido de promover a paisagem como uma ferramenta educativa, cabe aos espaços de saber permitir que o patrimônio cultural e o conhecimento sejam acessíveis e constantemente reconstruídos entre os diversos frequentadores destes ambientes, sejam professores, estudantes, colaboradores ou visitantes.